Mialgia – o que se sabe até o momento

Mialgia – o que se sabe até o momento

Mialgia

Mialgia – o que se sabe até o momento

Mialgia – o que se sabe até o momento

A mialgia (do sistema mastigatório) é um transtorno com origem na musculatura mastigatória e manifesta-se, no dia a dia, com dores faciais (ou dores de cabeça) , limitação de movimento da boca,  ruídos ao abrir e/ou fechar a boca, dor à pressão no músculo, desvios na abertura bucal, etc.

O que se sabe até o momento?

1- Muitas vezes, as causas das mialgia são desconhecidas, isto é, o profissional está apto a identificar que o paciente apresenta dor, mas não é possível identificar o fator que está causando esta doença muscular.

2- A dor pode aparecer em pontos distantes de onde verdadeiramente está o problema. Além disto, a dor pode ter uma intensidade que não é proporcional ao problema que o paciente apresente. Portanto, a dor pode ser mais forte ou mais fraca do que o problema real do paciente.

3- A mialgia é um problema localizado e geralmente é causada, ao menos no início, por uma carga excessiva. Esta pode ser traumas intensos e rápidos (um acidente de carro, por exemplo) ou podem ser traumas leves e contínuos (roer as unhas, por exemplo). Nosso organismo apresenta uma grande capacidade de adaptação a diversos tipos de injúrias. Porém, por diversas circunstâncias, pode ser que estes traumas superem a capacidade de tolerância do organismo. Neste momento, o paciente apresenta dor.

4- Os sintomas (aquilo que o paciente sente) da mialgia variam com o tempo, isto é, mudam frequentemente de intensidade e duração. Podem ocorrer períodos de dor, seguidos por períodos sem dor. Por exemplo: em jovens, é comum aparecerem ruídos na articulação têmporo-mandibular, que depois vêm a desaparecer.

5- A mialgia tem bom prognóstico (boas chances de desaparecer). Frequentemente desaparece de maneira espontânea ou, num grande grupo de pacientes (entre 65% e 95%), os sintomas desaparecem com tratamentos simples, não invasivos e heterogêneos.

6- Apenas uma pequena parcela de pacientes (6 a 9%) acometida por mialgia necessita de tratamento invasivo.

7- Já existe consenso sobre as técnicas de melhoria dos sintomas de mialgia. Entre elas, podemos incluir: termoterapia, agulhamento seco, TENS, laser, massagem.

8- Os estudos demonstram que os pacientes com mialgia, mesmo apresentando melhora sem tratamento, obtêm maiores benefícios com tratamento conservador.

9- É de fundamental importância que se impeça de que o processo de dor torne-se crônico (longa duração). É muito mais difícil suprimir um processo de dor quando este já se cronificou. Caso isto ocorra, o tratamento passa a ser multidisciplinar (cirurgião dentista, neurologista, fisioterapeuta, etc).

10 – A cronicidade da dor miálgica é frequentemente associada ao ambiente psicossocial (chamados fatores perpetuantes – depressão, ansiedade, etc). Desta maneira, a cura torna-se mais incerta.

11 – Para evitar a cronicidade da dor, é necessária uma rápida e incisiva intervenção profissional.

12 – Fundamental também é o esforço profissional em executar um correto diagnóstico e tratamento nas dores de mialgia. Caso isto não se obtenha, há um comprometimento psicológico por parte do paciente (depressão, sensação de inutilidade, etc), o que favorece ainda mais a cronicidade da dor.

Portanto, estes são os conhecimentos consolidados até o momento referente à mialgia.

Caso tenha maior interesse, visualize diversos resumos de artigos relacionados ao assunto, clicando AQUI.

 

Você pode gostar também

Polissonografia e sua importância para o bruxismo do sono

Polissonografia e sua importância para o bruxismo do sono. Quando falamos sobre o bruxismo, um...

Tratamento dentário em pacientes com bruxismo

Como vimos em diversos artigos anteriores, o bruxismo é o ato de apertar ou ranger...

O BRUXISMO NOTURNO E SUA RELAÇÃO COM A POSIÇÃO DE DORMIR

Na área médica, mais especificamente na ortopedia, a posição ideal para dormir é é decúbito...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*